Obama eleito: mudança ou mesmisse?

Por Humam al-Hamzah
Jornal Oriente Médio Vivo
www.orientemediovivo.com

OBAMA ELEITO: MUDANÇA OU MESMISSE?

Eleito com folga à presidência dos Estados Unidos, a celebridade Barack Obama em breve passará a dirigir um país que administra duas guerras derrotadas, ao mesmo tempo em que luta contra uma grave crise econômica sem precedentes. Apesar das exageradas comemorações nas ruas estadunidenses, que refletem um sentimento de alívio carregado de culpa, ainda é muito incerto qual será o rumo da decadente “única superpotência”. Afinal, após meses da incansável retórica de “nós podemos mudar”, o que representa Obama no comando dos Estados Unidos: mudança ou mesmisse?

O povo estadunidense votou em massa contra a combinação letal de ganância representada pelos dois termos de George W. Bush. Mais do que um aceitamento das mudanças propostas por Barack Obama, que nunca ficaram muito claras ou se provaram possíveis, a nação votou por um sentimento comum de culpa e vergonha. Muitos preferem ignorar essa realidade, mas os mesmos eleitores que essa semana elegeram Obama colocaram George W. Bush no poder – por dois termos consecutivos. Não podemos cair na mesma ilusão de que, após uma histórica eleição, todos os corações dos Estados Unidos se transformaram. Uma utopia como essa pode se tornar destrutiva, não menos do que o exagero da apelação militar dos dois últimos termos republicanos.

Alguns afirmam que os estadunidenses votaram contra a administração mais sionista de que se tem notícia, que conscientemente a nação disse “não” às guerras sionistas e aos interesses israelenses. Declarações como essas são, no mínimo, irônicas. De que se tem conhecimento, pouquíssimos estadunidenses entendem qualquer coisa sobre o envolvimento do governo do seu país com a entidade sionista. Para ser otimista, o máximo que se pode dizer é que, frustrados com o caminho que os Estados Unidos trilharam nos últimos anos, os eleitores votaram em uma opção radical e inesperada, a fim de escapar da realidade atual. Mas será que as coisas realmente mudarão? Ao que tudo indica, Barack Obama já se uniu ao clube de interesses sionistas, e passo a passo deverá conduzir os Estados Unidos no mesmo caminho dos últimos anos.

A primeira decisão de Barack Obama como presidente eleito dos Estados Unidos foi escolher como chefe de gabinete o judeu Rahm Emanuel, deputado de Illinois na Câmara dos Representantes e profundo conhecedor do mundo político de Washington e da Casa Branca, por ter sido conselheiro pessoal de Bill Clinton. Ele era encarregado de coordenar projetos especiais da Casa Branca nesse período da história em que, no Conselho de Segurança Nacional dos Estados Unidos, 7 dos 11 nomeados eram judeus. Clinton os designou para os pontos mais sensíveis das administrações de segurança e do estrangeiro. Segundo o próprio Emanuel, “o Holocausto cria um senso de destino compartilhado por todos os judeus. Os judeus devem agir para tornar Israel forte”. A escolha não parece uma mudança muito promissora. O que acontece é que, a uma distância de milhares de quilômetros de Israel, existe um florescente centro judaico que não apenas a admira e a apóia, mas que também sente um destino compartilhado. Esse é o maior perigo para a independência dos Estados Unidos.

E é por isso que até eleger-se senador, Obama foi ativo nos movimentos em favor do povo palestino. Após ocupar a importante cadeira política, passou a pender para o lado israelense, como resultado das pressões dos lobbies judaicos e, para ser mais direto, de olho na candidatura à presidência no futuro. A partir de que Obama se tornou o candidato democrata para as eleições presidenciais, a sua exageração pró-Israel manchou a imagem de “mudança” tão prometida por ele nas fases iniciais de campanha. Ao visitar Jerusalém, a cidade sagrada das três grandes religiões monoteístas, Obama garantiu que, em seu termo como presidente, “Jerusalém permanecerá intacta”. Essa posição, dividida entre todos os presidentes estadunidenses desde a unilateral independência de Israel, nega a Lei Internacional. “Qualquer acordo com o povo palestino deve preservar a identidade de Israel como Estado judeu”, declarou Obama. Assim como qualquer outro líder estadunidense, Obama promete manter a mesma política cega que desestabiliza o Oriente Médio há gerações, protegendo indiscriminadamente Israel e opondo-se a qualquer medida que possa levar a paz à região.

Desde que Barack Obama surgiu como um sério candidato à presidência dos Estados Unidos, a importância de preservar a ordem de interesse que se encontra Israel na agenda estadunidense se tornou evidente. Passo a passo, a sua postura comprometida e coerente com relação aos direitos dos palestinos desapareceu. A sua primeira decisão como presidente, um dia após a eleição, foi anunciar um líder sionista como seu chefe de gabinete. Separando otimismo de realismo, o futuro promete mudança ou mesmisse?

FONTE:
Jornal Oriente Médio Vivo – http://www.orientemediovivo.com
Edição nº120 – http://orientemediovivo.com/pdfs/edicao_120.pdf

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

%d bloggers like this: